sábado, 30 de abril de 2011

Acordei na sexta-feira e tomei um susto com o vestido amarelo da rainha

Na sexta-feira, Humberto me acordou de manhãzinha para ver o casamento real. Relutante em abandonar os braços de Morfeu, direcionei meus olhos ainda entreabertos na direção da TV. A primeira imagem que me aparece é a da rainha vestida toda de amarelo. Até o chapéu era da mesma cor. Não sei qual era a tonalidade real (sem querer fiz aqui um trocadilho...) daquele amarelo, mas pelo menos em nosso televisor aparecia como amarelo-ovo. Deu vontade de me virar e voltar a dormir na mesma hora. Ou sair correndo...

Mas o pior vinha depois: um festival de chapéus de todos os formatos, cores e gostos: estilo "disco-voador", estilo "com antenas", estilo "Disco-voador com antenas", estilo "Mataram o pavão mas aproveitei as penas", e por aí afora. Lá no sul do Brasil tempos atrás ficaram de bronca com o padre que celebrou um casamento com os noivos e convidados vestidos de acordo com personagens do filme "Shrek", mas em termos de chapéus e, em alguns casos, também dos trajes, esse casamento não ficou tão atrás desse outro....

Nada contra transmitirem o casamento real pela TV. O que me incomoda é o excesso da mídia em cima do fato que, para o restante do mundo, não representa lá grande coisa. E aqui no Brasil? Anos atrás grande parte da população nem votou na monarquia no plebiscito, porque então esse interesse na realeza britânica? Seria o desejo inconsciente de muitos e consciente de outros tantos, mulheres e homens, de acharem seus príncipes ou princesas (ou duquesas...) de sua vida? Não sei explicar...

Lembrei-me agora da observação de um amigo solteiro outro dia num barzinho daqui de Brasília, observando as mulheres. Ele observou em particular uma garota bem alta, muito maquilada, cabelo feito, mas sem elegância nem estilo:

-Nossa, aquela moça parece a Transamazônica...
-Como assim a Transamazônica?
-É comprida e mal acabada....

Depois ele comentou também que muitas mulheres arrumam o cabelo, exageram na maquilagem, procuram vestir-se bem, mas parece que isso tudo de nada adianta. Comentou do valor da beleza natural, da atitude, etc. O casamento real serviu para explicitar isso. Do pouco que vi do casamento, deu para perceber que muitas convidadas estavam a léguas e léguas de distância da beleza e da elegância da noiva...Na verdade, nem coloco muito em destaque a questão da beleza em si, já que nem todas tiveram a sorte de serem lindas como a duquesa Kate, mas é interessante a questão da elegância, da postura e das atitudes, que acabam se transformando também em beleza.

2 comentários:

lilly disse...

marido via todo dia os preparativos do casorio tb!
eu nao vi
mas é interessante ver como eles , o s ingleses valorizam suas tradicoes.
ahhh ninguem chegou atrasado...porque será?

Clara disse...

olááa!

Também me incomodo como você. Sinceramente, não há nenhum interesse para o país, pelo menos não que nós saibamos!

E minha nossa, cada chapéu!!! Tem um que parece um besouro! kkkkk! Será que confundiram com o carnaval??? kkkkkk

beijos!