sexta-feira, 11 de junho de 2010

Kleiton Ramil e sua encomenda que quase ficou para mim...





Em nossa sexta musical desta semana, eis aí a dupla gaúcha Kleiton e Kledir, que agitou a Expotchê com um showzaço na última quarta-feira, aqui em Brasília. Acima, cantam "A Dança do Sol e da Lua", canção que leva um toquezinho celta com o arranjo de violino do Kleiton Ramil. Esta faz parte do mais recente CD/DVD da dupla, o Autorretrato. É uma de minhas prediletas desse trabalho deles.

Fiquei em dúvida se contaria algumas historinhas que tem relação com eles e se colocaria algumas fotos aqui ou não. Pensei: será que vão me chamar de exibida? Até comentei sobre isso hoje, na hora do almoço com o Clébio, do blog Lenço Encarnado. Ele foi me dando umas idéias, ponderei e pensei: ah, quer saber? O blog é meu mesmo, pelo menos a historinha da "encomenda peruana misteriosa do Kleiton" eu vou contar.

Há um ano atrás, Kleiton me pediu de encomenda um chullo (pronuncia-se mais ou menos assim: "tchuio"), gorro de lã típico da região dos andes, sabendo que eu iria mais uma vez ao Peru. Comprei então o chullo dele, que ficou todo esse tempo guardadinho em uma gaveta só esperando pelo dono. Na última semana, peguei de novo o gorro, senti a maciez de sua lã, confesso que eu até o usei um pouco em minha cabeça enquanto trabalhava em frente ao computador. Fui me apegando ao chullo, olhava pra ele e pensava: ai que vontade de ficar com esse! Cheguei a provocar o Kleiton por e-mail contando o "caso de amor" entre eu e esse chullo. Lembro-me que morri de rir com a resposta dele, que veio com um sorriso e um título de uma das músicas da dupla embutida: " Ficar com o meu chullo? Mas nem pensar, tire o olho gordo de meu chullo...". No final das contas, fui fiel ao pedido feito um ano antes, e o entreguei a ele. No fundo, seria incapaz de cometer a maldade de ficar com aquela encomenda que não era minha.

O momento da entrega se converteu em uma cena muito bonitinha. Kleiton parecia uma criança. Ao nos encontrarmos, foi me cumprimentando, abraçando, mas depois, de imediato, foi botando a mão dentro de minha bolsa perguntando: "cadê? cadê? cadê?" Ao ter, finalmente, seu chullo em mãos, correu para um espelho grande ver como tinha ficado. Modéstia à parte, acho que combinou muito com ele.

A história, enfim, teve um final feliz: Kleiton com a cabeça e os ouvidos protegidos, sentindo-se um "autêntico peruano", conforme ele mesmo disse, e eu libertada de meu sentimento de apego à aquele gorro. Mas, de qualquer forma, acho que vou comprar um parecido na próxima ida ao Peru...


Legenda: à esquerda, Kleiton e eu com nossos respectivos chullos. À direita, Kledir, Aline Mariano (cantora amiga nossa) , Kleiton e eu. Crédito das fotos: os autores se apresentem, pois não lembro quem tirou essas duas...

Aviso: para curtir o vídeo sem interferências das músicas de meu Mixpod, clique no pause deste, à esquerda do blog.

6 comentários:

Blog da web 2.0 disse...

Kleiton de chullo, me fez lembrar o episódio do Chaves em que ele comia churros. [:D]

Aline Mariano disse...

Olha eu aí! rsrsrs Foi ótima a escolha do chullo, ficou muito bem nele mesmo. Ah, sou suspeita hehe.

Ana Maria disse...

Que luxo as fotos! Adoro as músicas da família deles! E muito lindos os chullos!

Stella disse...

Até que não foi tão ruim o Kleiton ter esperado tanto. Além de vc ter entregado pessoal, ele ganhou num dia apropriado para usá-lo. Estava friozinho, não estava? Vcs estão fofos!!

Rui Séve Samarcos Lóra, disse...

Sil, adorei...me lembro de quando compramos o chullo, acho eu... a foto ficou ótima e o clip da página tambem... que inveja tenho desse seu blog! Beijao

Clébio disse...

Sil, já postei texto e as fotos do show no blog, você recebeu as fotos no e-mail?

Abraços