sábado, 27 de novembro de 2010

Qual o limite entre a piadinha e a falta de respeito?



Venho observando muita gente se chateando com piadinhas em relação aos cariocas, devido aos últimos acontecimentos no Rio de Janeiro. Aí pergunto a vocês: qual seria o limite entre a graça e a falta de respeito? Aliás, existiria esse limite? Eita tema complicado esse...sei lá, acho que isso acaba caindo muito no crivo pessoal de cada um.

Quando fazem aquelas célebres piadinhas do estilo "ah, aqueles políticos de Brasília", confesso que não gosto, como já escrevi uma vez aqui. Além de serem muito batidas, sem criatividade, fazem muita gente esquecer que a maioria dos políticos corruptos que temos de aturar perto de nós são enviados pelos eleitores de outros estados. Nós temos os safados do DF também, claro, mas eles são minoria. Também não simpatizo com aquelas igualmente célebres piadas do "Acre não existe", "Roraima não existe" e por aí afora...ora bolas, "não existem" só porque a gente quase não houve falar desses estados na mídia? Raciocínio bem raquítico este. Aliás, engraçado que muitos não gostam que façam piadinhas com o Rio de Janeiro, mas não se importam de fazerem com outros estados, por que será?

Aliás, claro que a situação atual lá no Rio de Janeiro é notícia. O Rio é uma das maiores cidades do Brasil, um dos principais destinos turísticos daqui, coisa e tal. Mas questiono o seguinte: há milhares de cidades em nosso país também passando por problemas graves, mas de maneira, digamos, silenciosa, não é mesmo (ou às vezes nem tanto assim)? Pessoalmente, acho que Acre, Roraima e outros estados não são menos brasileiros que o Rio de Janeiro....

Acabei de me lembrar da frase "não existe liberdade de imprensa, mas sim liberdade de empresa". Por falar nisso, minha dica de hoje é o vídeo acima, produzido pelo Coletivo Intervozes de Comunicação. Vale a pena assisti-lo!

5 comentários:

Sardas disse...

Guria, faço minha a tua voz! Particularmente no teu comentário sobre as piadinhas sobre políticos em Bbs. Eu tbem me incomodo, e muito. Apesar de não morrer de amores pela cidade, reconheço q é terra de mta gente boa, honesta e trabalhadora. Já comprei briga com uma "amiga" qdo ela falou q no governo só tinha ladrão. Destesto generalizações. Beijos
Pati Linden

Menina de óculos disse...

Sil, pior é gente que vem pra nossa cidade, ganha dinheiro e depois vai embora falando mal...É o que mais tem no Acre.

Saudades de vc!!!!
:)

Clara disse...

Entendo e concordo totalmente com você. Foi por causa dessa falta de respeito que eu me desentendi de vez com uma pessoa, por adorar fazer piadinha com os capixabas (também carioca, por sinal).

Esse negócio do Rio é realmente impressionante, mas como você falou as pessoas preferem discutir sobre a potência dos taques de guerra do que sobre o real problema por trás de tudo isso.

Beijos florrr, que saudade que eu tava daqui!

Daniel Savio disse...

Infelizmente, não temos senso de humor, pois preferimos esconder nossos erros do que se tornar assunto de piadinha...

Fique com Deus, menina Silvana.
Um abraço.

Blog da web 2.0 disse...

Sil, vou fazer comentário somente do vídeo que vc postou. Gostei muito. Só lamento os autores não colocarem nos créditos finais que o estilo e o formato do vídeo foram baseados na ilha das flores de Jorge Furtado. Eles colocaram somente um último agradecimento para ele. Vi a ilha das flores quando tava na quinta série e nunca mais esqueci. O estilo de informação do Jorge Furtado é muito legal.