segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Las alas de angel de Mercedes Sosa san su voz...



Mercedes Sosa representa um dos primeiros contatos que tive, ainda criança, com a música latinoamericana feita fora do Brasil e, um pouco mais tarde, tornou-se minha cantora predileta. Por muito tempo, não consegui explicar o que havia a mais naquela voz que, objetivamente, já era bela, forte, grave, vibrante. Apenas gostava muito dela e de seu jeito de cantar. Hoje, penso que sua luta e a contundência de suas idéias e sentimentos eram tão autênticos e puros que tudo isso era convertido na sua maneira tão especial de cantar.

Sim, as asas de anjo da Mercedes eram sua voz. Que a fez voar alto por toda a Terra, carregando consigo, sem medos ou pudores, sementes de justiça, paz, dignidade. E hoje, 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, lá se foi ela voando, mas desta vez para uma outra dimensão. Agora há pouco falei pra Deus que estou com ciúmes dessa história de levar Mercedes pra longe. Puxa vida...porém, alguns segundos depois tive a impressão de ter quase que ouvido uma voz vinda não sei de onde, num misto de gozação e carinho a me dizer: "Ei, guria, tua "ficha" não caiu? Quem disse que ela está longe?"

Tá, Deus. Agora entendi a mensagem. Ainda com certa pena, mas já mais consolada, pensei: Agora ela deve estar tomando um mate, enquanto bate um longo papo com Victor Jara, Violeta Parra e tantos outros...

Enquanto isso, lembrei-me de um post que o Jica escreveu no dia do aniversário de Mercedes, 16 de julho (Jica, cometi a ousadia de copiá-lo e colá-lo aqui, tá?) Lá vai:

A primeira vez que Mercedes Sosa veio ao Brasil, cantou no Ginásio do Ibirapuera. Não lembro o ano. Ficou amiga da Miriam Mirah (na época vocalista do Grupo Tarancón) e com ela mais Abilio Manuel cantaram na USP. No camarim do show a gente conversava besteirinhas com ela e o Juan Falu até que Mercedes disse necessitar de um tocador de bongô para duas músicas: Drume Negrita e Duerme Negrito. Tentei inutilmente me esconder, eu tinha muita vergonha, era muita responsa, etc... Não deu outra, toquei com ela empurrado pelos amigos os dois temas (Emilio, do Tarancón, fotografou mal e porcamente mas há registros. O criolinho de bolsa de couro hippie e chapéu de motorista sou eu) e depois dividimos um frango no jantar. Simplona a moça. Pequena, simpática e forte. Hoje ela faz 74 anos e fiquei cá com meus botões divagando lembranças. Nem consegui agradecer. Eu era muito jovem e não fazia nenhuma idéia da grandeza daquela mulher que dividiu seu prato comigo. Se há uma Voz da América ela atende pelo nome Mercedes Sosa. Felicidades moça, felicidades, e se precisar de um tocador de bongô...

É isso aí, Mercedes. Você canta daí, a gente continua cantando daqui, tocando bongô, violino, violão, enfim, fazendo o maior som juntos. Porque, afinal:

*Si se calla el cantor calla la vida
porque la vida, la vida misma es todo un canto
si se calla el cantor, muere de espanto
la esperanza, la luz y la alegría.


Então:

*Todas las voces, todas
Todas las manos, todas
Toda la sangre puede
Ser canción en el viento.

¡Canta conmigo, canta
Hermano americano
Libera tu esperanza
Con un grito en la voz!

Mercedes, hasta siempre!!!

* O primeiro trecho é da canção Si se calla el cantor, de Horácio Guarani.O segundo trecho é de Canción con Todos, de Armando Tejada Gómez Y César Isella. Ambas foram gravadas por Mercedes Sosa.

11 comentários:

Julia disse...

Así es, querida Sil, ella seguirá cantando por siempre en las voces de tantos de nosotros, de nosotras, de toda la gente que siente como ella y que ella inspiró.
Qué belleza.

Daniel Savio disse...

Vai parecer uam tendência horrosa da humanidade, mas "descobrimos" os artistas bons quando eles morrem, pois através de uma amiga que conheci a cantora e faz um dia que ele me mostrou uma música dela, mas infelizmente, hoje quando passeando pela internet, descubro que a mesma morreu e já algum tempo internada...

Espero que o filho dela, mantenha o legado da mãe, não como um cantor, mas um tutor da história da vida dela...

Fique com Deus, menina Sil.
Um abraço.

lilly disse...

mercedes agora canta para os anjos.
não deixou ninguem para ocupar seu lugar aqui.
bjs
li

Luana disse...

Nada mais justo e merecido do que essa sua homenagem para esta grande Diva da música latina que é a nossa querida Mercedes que sempre será uma grande estrela, agora brilhando longe de nós mas jamais deixará de brilhar!
Beijos.

Anônimo disse...

Oi Sil, Saudades de vc... e desde ontem mais ainda... A Sosa parece mesmo este anjo.. e de fato é inexplicável...é como se tudo fosse um sonho, mas do qual ela fez questão de fincar bem na terra.
Enfim... é como se ela nunca tivesse existido materialmente, se é assim, ela continua onde sempre esteve: nos braços de Deus!
Um cheiro grande pra vc e todos que entendem sobre o que estamos falando. Verônica (veodantas@hotmail.com)

José Marcos Ramos disse...

Gracias por ter visitado o meu blog. Gracias por me fazer chorar lendo o teu post. "las alas de angel de Mercedes...
Gracias....

Ana Maria disse...

Que lindo post!
Também foi uma das primeiras artistas de outros países latinos que conheci. Quando soube do estado dela pensei que tão cedo não ia conseguir escutar os cds, mas logo percebi que é através da música que ela vai estar sempre presente.

Chico Pedro disse...

Oi silvana ...
Linda tua mensagem para "La Negra"que nos ha dejado muy triste pero con el conpromiso de continuar llevando adelante este proyecto que es el de colocar la música latina donde se lo merece .
Um beijo .

Joao disse...

Pero porque pido silencio
no crean que voy a morirme:
me pasa todo lo contrario:
sucede que voy a vivirme.

Sucede que soy y que sigo.

No será, pues, sino que adentro
de mí crecerán cereales,
primero los granos que rompen
la tierra para ver la luz,
pero la madre tierra es oscura:
Y dentro de mí soy oscuro:
soy como un pozo en cuyas aguas
la noche deja en sus estrellas
y sigue sola por el campo.

Se trata de que tanto he vivido
que quiero vivirme otro tanto.

Nunca me sentí tan sonoro,
nunca he tenido tantos besos.

Ahora, como siempre, es temprano,
vuela la luz con sus abejas.

Dénjeme solo con el día.
Pido permiso para nacer.

(Pablo Neruda)

@-}----

Julio disse...

A Mercedes era uma grande cantora e sua voz cantava a América Latina.
Mas, sua voz não morre. E a América Latina ganhou isso.

Anônimo disse...

Pô Sil !
fiquei em lágrimas .
bjo.