sexta-feira, 6 de março de 2009

Virei fã dos encantadores cachorros chilenos - Parte II

Cachorro de rua (!!!) no Cerro San Cristobal, em Santiago do Chile.
Cachorro vigilante da Quinta Vergara, cuidando do anfiteatro no qual
ocorrem os famosos festivais de Viña Del Mar.
Um dos cachorros patagônicos, que eu apelidei de "cachorro polar",
no sopé do vulcão Villarica, perto de Pucón.

Acho que querem comer minha empanada!

O cachorro"devorador de empanadas" me arrancou muitos risos. Estávamos eu e Humberto sentados num banquinho de uma praça na orla de Viña Del Mar, curtindo o cair da tarde e comendo umas empanadas. Dali a pouco, vejo, ao longe, um simpático Bulldog passeando com seu dono. De repente, o bicho me vê e começa a caminhar em minha direção, numa linha reta. Pareceu até coisa de desenho animado: a carinha do Bulldog ia aumentando, aumentando...quando chegou na minha frente, não fez cerimônia: ficou em pé, com as duas patinhas dianteiras apoiadas em minhas pernas. Imediatamente seu dono, constrangido, ralha com o cão dizendo: " malcreado!" e o leva para longe dali. O pobrezinho, provavelmente, estava doido para ganhar um pedaço de minha empanada. Comer ração o tempo todo deve ser muito chato.

E os cachorros carentes? Maioria absoluta nas cidades nas quais passamos, são um show a parte. Muitas vezes, você está caminhando devagar, ou parando para ver uma vitrine e lá vem o bicho, te empurrando de mansinho e em seguida deitando no chão para você fazer carinho. São uns fofos! Umas duas vezes me aconteceu também de estar sentada num banco e aparecer um cachorro que literalmente deitou nos meus pés. Um deles até começou a cochilar, usando-os como almofadas....me diz quem tem coragem de levantar do banco numa situação dessas?
Os "cachorros vigilantes" também são fáceis de encontrar. É curioso, pois parece que eles escolhem um lugar que gostam e ficam por ali, parecem verdadeiros cães de guarda. Aliás, teve um, muito bonito, que fiquei em dúvida se era "contratado" do lugar ou se ficava lá por gosto: o que estava confortavelmente instalado numa das arquibancadas do Anfiteatro da Quinta Vergara, aquele no qual acontece o Festival de Viña Del Mar.


O "cachorro polar", na verdade é patagônico: uma vez estávamos sobrevoando de teleférico uma área do sopé do vulcão Villarrica, perto de Pucón, quando avistei em meio à neve um cachorro escuro peludão caminhando por ali. Disse então ao Humberto: "Esse aí parece um cachorro polar!". Cada vez então que via outros cachorros na neve, dizia que era o tal "Cachorro Polar"...
Porém, para mim, o cachorrinho mais tocante nem foi no Chile, mas na Argentina, lá na rodoviária de Bariloche...o de expressão mais triste que já vi na vida, por culpa da fome. Tão triste que até tive impressão de estar ouvindo um tango bem dramático de fundo, quando encontrei com ele. Fiquei com tanta pena que demos uns amendoins ao bichinho, que foram devorados de maneira automática. Sua carinha era tão triste que não tive coragem de fotografá-lo.

5 comentários:

NowaY disse...

Esse mundo é cão! Até eles sofrem com as diferenças sociais... Enquanto uns vivem a base de empanadas, outros a base de amendoim de caridosos brasileiros.

Bom findi!

€ster disse...

Olá amiga!!

Seu blog está confirmadíssimo na lista da blogagem coletiva,

bjs e obrigada!

Menina de óculos disse...

Sil...eu num gosto muito de cachorro, mas achei esses simpáticos. Só uma coisa eu lamento...eles fazem caquinha...rsrsrssrrs

Fabiana disse...

o 'cachorro polar' e o husky são lindos.... e o do anfiteatro está o máximo naquela pose... :-P

Stella disse...

Sil, ando cada vez mais preocupadas com os cachorros de rua. Vejo estes animais abandonados e fico morrendo de pena! Que triste vê-los passando fome, procurando comida no lixo...
Ainda bem que existe muita gente boa que ajuda. Aqui em SP, há várias ONGs que cuidam destes animais e colocam pra adoção. Até ajudo uma destas.